7º ENCONTRO DE FILARMÔNICAS EM ESTÂNCIA

POMBO SEM ASA - WASHINGTON NASCIMENTO -16/11/2011

A 35ª RODADA DO BRASILEIRÃO – parte I

No peladão do Engenhão, Fluminense venceu o Grêmio por 5 a 4, se distancia dos demais que lutam para se manter na zona da Libertadores. Fred fez 4 gols, mas Deco mais uma vez mostra sua importância para a equipe de Abel Braga. O tricolor gaúcho segue no mais puro “tô nem ai”.

Na Boca do Jacaré, o América de Givanildo aprontou mais uma e venceu a um Botafogo que precisa deixar de ser explicado. Pontos são conseguidos através de vitórias. Caio Junior aprendeu a explicar tudo e o time continua num verdadeiro “se segura como pode” prá se manter na zona da Libertadores. Se vacilarem, o América ainda sai do Z4.

O São Paulo de Leão continua o mesmo do Adilson Batista. Um time que dá a impressão que é escalado prá complicar a vida da torcida. Um time que não tem um maestro dentro de campo porque o mantém no banco. Quando Rivaldo entra, o time passa a ter uma referencia, um posto de passagem da bola entre a defesa e o ataque, com o jogo saindo redondinho e chegando com mais facilidade ao ataque. Foi o que se viu contra o Atlético. Com sua entrada, o tricolor passou a pressionar a defesa rubro-negra. Só não conseguiu reverter a derrota.

Na briga particular entre Corinthians e Vasco pelo título, o Timão pulou na frente com a apertada vitória sobre o Ceará. Sofreu bastante, Julio César foi o grande herói do jogo, dividindo com Osvaldo a grande noite. Com 2 pontos à frente e maior numero de vitórias, que ainda não garantem o caneco, mas que dá para respirar um pouco, ganhar fôlego para as três últimas partidas.

Outra vez Dedé colocou o Vasco na frente do placar. Mas vacilou, deixou o Palmeiras empatar o jogo. Continua firme e forte, com condições amplas de conquistar o título do brasileirão. Claro que não pode deixar o Corinthians desgarrar. Mesmo aos tropeços, o alvinegro paulista vai somando pontos e se mantendo à frente. Sem desespero, o Vasco chega.

Depois dos resultados dessa primeira parte da 35ª rodada, resta ao Flamengo partir com muita vontade prá cima do Figueirense. Está com os mesmos pontos do Botafogo e basta um empate para retornar ao G4. Depende dele.

L U T O FECHADO

A Federação Sergipana de Futebol-FSF e a Associação dos Cronistas Desportivos de Sergipe-ACDS decretaram luto por três dias pelo passamento do radialista Carlos Rodolfo Rodrigues de Gois. Carlos Rodrigues, como era mais conhecido, desencarnou na terça-feira, 15, às 14 horas, no Hospital do Coração, para onde fora levado pelo amigo Adel Ribeiro, devido a fortes dores que sentia na região do tórax.

Seu corpo foi velado no OSAF da rua Itaporanga, em Aracaju, e de lá seguiu para o cemitério Santa Izabel, onde foi enterrado entre 10 e 11 horas da quarta-feira, 17. Vários amigos, parentes e gente de todos as matizes social, se fizeram presentes ao adeus desse homem que deixou um legado para todos que acreditem em fazer um rádio verdadeiro, sério. Muitos foram os que declararam o agradecimento pelos conselhos e até carões recebidos pelo grande Mestre.

Começou na mesma rádio Liberdade onde exercia com maestria seu oficio, pelas mãos do também saudoso Silva Lima. Por pouco não concretiza o sonho um dia declarado de “morrer sentado no estúdio”. Segundo Adel Ribeiro, a imagem que ficou, foi de Rodrigues numa cadeira de rodas, indo para uma sala fazer exames. Passou por todas as emissoras AM da capital e pelas de TV Sergipe e Atalaia. Trabalhou com os monstros sagrados do rádio sergipano e brasileiro.

Ao lado de grandes feras, participou de grandes eventos esportivos mundiais. Parceiro de longas datas de Silva Lima, Carlos Magalhães, Welington Elias, José Antonio Marques, Cristiano Prado, Raimundo Macedo, Gilson Rolemberg, Jota Santos, Alceu Monteiro, Paulo Lacerda, Andrade Lima, Jorge Curi, Rui Porto, Jurandi Santos, e tantos outros nomes inesquecíveis do rádio sergipano e brasileiro.

Deixou um grande legado para todos que continuam nos caminhos da comunicação, elencados por Alex Carvalho: honestidade, verdade e amor a profissão. Bonachão, sempre tinha uma lúcida tirada para tornar mais leve a mais dura critica. Como todo Mestre, sempre dizia o que tinha que ser dito, mesmo que depois tivesse de chamar para um canto o recebedor da critica, para mostrar o porquê da dureza consciente. Mais critico que comentarista. Sabia a hora de “bater”. Com a idêntica sabedoria, elogiava de forma sincera, amável, verdadeira.

Para todos que tiveram a honra de com ele conviver, mesmo que por pouco tempo, ficou a missão de se fazer digno seguidor. De realizar tudo na vida, com profundo e respeitoso amor ao que fizer e principalmente, pelos queridos e amados ouvintes. É o mínimo que pode fazer, cada um, para honrar a profissão tão grandemente elevada, tão seriamente praticada, por esse MESTRE DE TODOS NÓS, Carlos Rodrigues.


Retornar ao Índice Retornar ao Índice
[ Retornar à Colunistas | Retornar ao Índice | Versão para impressão]

ENQUETE

Qual a sua avaliação sobre o primeiro ano da gestão do prefeito Gilson Andrade de Estância
Boa 0%
Nenhuma das Alternativas 0%
Ótima 0%
Péssima 50 % 50%
Regular 50 % 50%
Ruim 0%

USUÁRIOS ONLINE

25 visitantes online (1 na seção: Seções)

Usuários: 0
Visitantes: 25

mais...