7º ENCONTRO DE FILARMÔNICAS EM ESTÂNCIA

Manchete : Brasil continuará com déficit nas contas até 2019
enviou em 14/04/2016 10:20:00 ( 195 leituras )
Manchete

O relatório do FMI projeta déficit primário de 1,7% do PIB

A contração da economia fará o Brasil registrar déficits primários (resultado negativo nas contas públicas antes do pagamento dos juros) até 2019, divulgou ontem,13, o Fundo Monetário Internacional (FMI). De acordo com o relatório Monitor Fiscal, a dívida bruta do país poderá chegar a 91,7% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) em 2021.


Segundo o relatório, a deterioração fiscal experimentada pelo Brasil no ano passado foi provocada pela combinação de três fatores: forte retração da economia, fraco desempenho das receitas e instabilidade política. Para o FMI, não apenas o Brasil, mas vários países serão afetados por turbulências políticas neste ano, independentemente do nível de desenvolvimento.

“O calendário eleitoral ou a disputa política podem complicar a implementação de políticas ou desencorajar ações políticas fortes em 2016 em vários países, incluindo economias avançadas [Austrália, Grécia, Estados Unidos], mercados emergentes [Brasil, África do Sul, Venezuela] e países de baixa renda [Gana e Zâmbia]”, informou o relatório.

O relatório do FMI projeta déficit primário de 1,7% do PIB para este ano, 1,4% em 2017, 1% em 2018 e 0,3% em 2019. Somente no ano seguinte, o país voltaria a registrar resultados positivos nas contas públicas, com superávit primário de 0,9% do PIB em 2020 e de 1,6% em 2021. O superávit primário é a economia para pagar os juros da dívida pública.

Para o FMI, a sequência de resultados fiscais negativos continuará a impulsionar a dívida pública bruta do país. De 73,7% do PIB registrados no ano passado, o indicador subirá para 76,3% este ano, 80,5% em 2017, 83,6% em 2018, 86,4% em 2019, 89,1% em 2020, podendo chegar a 91,7% em 2021.

A dívida pública calculada pelo FMI é mais alta que o indicador divulgado pelo Banco Central do Brasil, segundo o qual a Dívida Bruta do Governo Geral encerrou 2015 em 65,5% do PIB. A diferença ocorre porque o governo brasileiro desconsidera da dívida bruta cerca de R$ 900 bilhões em títulos públicos usados pelo Banco Central para regular a quantidade de dinheiro em circulação na economia por meio das operações compromissadas.


Fonte: Agência Brasil

Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia -


Outros Artigos
22/11/2017 11:00:00 - Black Friday:promoções já podem ser encontradas em lojas
22/11/2017 11:00:00 - Com afago a Buffon, Barcelona visita a Juventus para confirmar classificação
22/11/2017 10:50:00 - Caminhão de milho tomba na BR-101
22/11/2017 10:50:00 - Denarc cumpre mandado de apreensão em antigo frigorífico
22/11/2017 10:50:00 - Atenção Belivaldo: "Se fosse apoiado por mim não estaria com 3%", dispara Valadares
22/11/2017 10:50:00 - EUA aprovam nova droga anti-HIV: a primeira a juntar dois compostos da nova geração
22/11/2017 10:40:00 - Mancha no oceano é esperança em busca por submarino argentino
22/11/2017 10:40:00 - Desembargador Vladimir Carvalho lança livro dia 24
22/11/2017 10:40:00 - Jonas Esticado vai se apresentar em festa de Pirambu
22/11/2017 10:30:00 - FALHAS EM HOSPITAIS SÃO A SEGUNDA CAUSA DE MORTE NO PAÍS



Marcar este artigo como favorito neste site

                   

 
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

ENQUETE

De 1 à 5, que nota você daria à capinação das ruas de Estância.
Nenhuma 7 % 7%
Nota 1 28 % 28%
Nota 5 64 % 64%

USUÁRIOS ONLINE

29 visitantes online (27 na seção: Notícias)

Usuários: 0
Visitantes: 29

mais...