7º ENCONTRO DE FILARMÔNICAS EM ESTÂNCIA

Manchete : Brasil continuará com déficit nas contas até 2019
enviou em 14/04/2016 10:20:00 ( 229 leituras )
Manchete

O relatório do FMI projeta déficit primário de 1,7% do PIB

A contração da economia fará o Brasil registrar déficits primários (resultado negativo nas contas públicas antes do pagamento dos juros) até 2019, divulgou ontem,13, o Fundo Monetário Internacional (FMI). De acordo com o relatório Monitor Fiscal, a dívida bruta do país poderá chegar a 91,7% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) em 2021.


Segundo o relatório, a deterioração fiscal experimentada pelo Brasil no ano passado foi provocada pela combinação de três fatores: forte retração da economia, fraco desempenho das receitas e instabilidade política. Para o FMI, não apenas o Brasil, mas vários países serão afetados por turbulências políticas neste ano, independentemente do nível de desenvolvimento.

“O calendário eleitoral ou a disputa política podem complicar a implementação de políticas ou desencorajar ações políticas fortes em 2016 em vários países, incluindo economias avançadas [Austrália, Grécia, Estados Unidos], mercados emergentes [Brasil, África do Sul, Venezuela] e países de baixa renda [Gana e Zâmbia]”, informou o relatório.

O relatório do FMI projeta déficit primário de 1,7% do PIB para este ano, 1,4% em 2017, 1% em 2018 e 0,3% em 2019. Somente no ano seguinte, o país voltaria a registrar resultados positivos nas contas públicas, com superávit primário de 0,9% do PIB em 2020 e de 1,6% em 2021. O superávit primário é a economia para pagar os juros da dívida pública.

Para o FMI, a sequência de resultados fiscais negativos continuará a impulsionar a dívida pública bruta do país. De 73,7% do PIB registrados no ano passado, o indicador subirá para 76,3% este ano, 80,5% em 2017, 83,6% em 2018, 86,4% em 2019, 89,1% em 2020, podendo chegar a 91,7% em 2021.

A dívida pública calculada pelo FMI é mais alta que o indicador divulgado pelo Banco Central do Brasil, segundo o qual a Dívida Bruta do Governo Geral encerrou 2015 em 65,5% do PIB. A diferença ocorre porque o governo brasileiro desconsidera da dívida bruta cerca de R$ 900 bilhões em títulos públicos usados pelo Banco Central para regular a quantidade de dinheiro em circulação na economia por meio das operações compromissadas.


Fonte: Agência Brasil

Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia -


Outros Artigos
23/02/2018 16:50:00 - PELOS PRIMÓRDIOS DO CARNAVAL ESTANCIANO
23/02/2018 14:30:00 - Rússia pede garantias para apoiar trégua humanitária em Ghouta Oriental
23/02/2018 14:30:00 - Forças Armadas fazem operação conjunta com polícias na zona oeste do Rio
23/02/2018 14:20:00 - Detento é assassinado dentro do Copencam
23/02/2018 14:20:00 - Jau vai comandar a Feijoada Seo Inácio em Aracaju
23/02/2018 14:20:00 - Infestação do Aedes tem menor índice dos últimos 11 anos
23/02/2018 14:20:00 - Aracaju implantará o Sistema Municipal de Cultura
23/02/2018 10:30:00 - 'PODERÃO PRENDER MINHA CARNE CARCOMIDA, MAS NÃO MINHAS IDEIAS', DIZ LULA
23/02/2018 10:20:00 - TRABALHADORES PODEM TRANSFERIR SALÁRIO PARA CONTAS DIGITAIS
23/02/2018 10:20:00 - USO DE TORNOZELEIRA EM PRESOS CRESCE EM SERGIPE



Marcar este artigo como favorito neste site

                   

 
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

ENQUETE

Qual a sua avaliação sobre o primeiro ano da gestão do prefeito Gilson Andrade de Estância
Boa 0%
Nenhuma das Alternativas 0%
Ótima 0%
Péssima 50 % 50%
Regular 50 % 50%
Ruim 0%

USUÁRIOS ONLINE

13 visitantes online (13 na seção: Notícias)

Usuários: 0
Visitantes: 13

mais...