7º ENCONTRO DE FILARMÔNICAS EM ESTÂNCIA

Artigos : Editorial: Chega de impostos
enviou em 31/07/2017 14:20:00 ( 439 leituras )
Artigos

A decisão do presidente Michel Temer em aumentar tributos para arrecadar R$ 10,4 bilhões, e cumprir a meta fiscal de déficit primário de R$ 139 bilhões, mostra que o País se afunda cada vez mais numa carga tributária excessiva e absurda. Para que possa alcançar seus objetivos, o Governo elevou a alíquota do Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre a gasolina, o diesel e o etanol.

A carga tributária é um forte empecilho para o crescimento das empresas e um freio no consumo. Com mais esse aumento, a carga tributária do País se eleva, esta que já é considerada uma das mais altas e perversas do mundo. Já em 1993, no período em que Itamar Franco assumiu a Presidência, o País tinha a carga tributária mais elevada do Cone Sul, algo em torno de 27% do PIB.

Quatro anos depois, a carga tributária saltou para quase 33%. O presidente Lula, que assumiu com um discurso duro contra os abusos dos impostos, fez a carga tributária brasileira atingir 36,11% do PIB. E continuou crescendo de forma assustadora no governo Dilma Rousseff e agora com Temer. O Governo Federal bate recordes na arrecadação estimulado pela criação de novas taxas e impostos.

Elevar o PIS e a Cofins sobre combustíveis é um erro, como se o brasileiro não pagasse caro pela gasolina. Essa taxa tem ainda um outro agravante. Ninguém suporta mais tantos impostos. A sanha do Planalto em aumentar a arrecadação através de receitas aplicadas sobre a utilização de produtos e serviços representa um retrocesso. A carga tributária em 2004 cresceu 11% acima da inflação.

A máquina de fazer dinheiro de Brasília tem sido eficiente em ampliar a receita pela criação de novos impostos ou mesmo pelo aumento das alíquotas de taxas. Os impostos sobre consumo tiveram um aumento de 34% para 36% do PIB. E quem paga a conta dessa matemática perversa são os pobres. Os menos abastados, esses mesmos que vão agora arcar com essa nova taxação do PIS e da Cofins.

O Governo Federal tem se esmerado em tornar a carga tributária pior do que já é. A arrecadação ganhou mais bilhões de reais com a criação da Cofins Importação, com alíquota de 7,6%. Ao aumentar o teto de contribuição para o INSS, o Governo abocanhou mais bilhões e conseguiu pagar um décimo dos juros e encargos da dívida de 2004. O governo Lula trouxe também a CIDE, Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico, criado para remendar o rombo das contas públicas.

A postura do Governo Federal atingiu limites insuportáveis. Não é mais possível aceitar a criação de uma taxa após a outra sem protestar. Nunca se pagou tantos impostos como agora: a carga tributária do brasileiro já representa 36% do PIB. O Brasil hoje é visto como o “Rei dos Impostos”. Se há exagero na afirmação, não há exagero nas críticas. O País enxerga mesmo o brasileiro apenas como mero contribuinte e não oferta serviços de qualidade.


Por: JornaldaCidade.Net

Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia -


Outros Artigos
06/12/2019 11:40:00 - Maria Feliciana precisa de ajuda para tratamento
06/12/2019 11:30:00 - Polícia Civil prende o sexto integrante envolvido na associação criminosa da cidade de Estância
05/12/2019 18:20:00 - Congresso Pode Acabar Com Prisão Disciplinar Para Os Policiais E Bombeiros Militares
04/12/2019 16:50:00 - Líderes mundiais querem ampliar luta contra aquecimento global
04/12/2019 16:50:00 - TCE decide entre Clóvis e Flávio
04/12/2019 16:20:00 - Festival do Jegue acontece neste fim de semana em Itabi
04/12/2019 16:20:00 - O rei mal coroado
04/12/2019 16:20:00 - Sergipe registra 13 mortes por dengue grave e confirma 6 casos de sarampo
04/12/2019 16:20:00 - Gabigol sobre jogo contra Avaí: 'Vai ser especial. Pode ser o último'
04/12/2019 16:10:00 - Azul Inicia Mais Dois Novos Voos Para Sergipe Em Dezembro



Marcar este artigo como favorito neste site

                   

 
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

ENQUETE

Você acredita numa possível aliança de Márcio Souza com os grupos políticos de Ivan e Carlos Magno?
Não 16 % 16%
Nenhuma 0%
Sim 83 % 83%
Você acredita que o vereador André Graça será o vice de Gilson em 2020?
Sim 66 % 66%
Não 0%
Nenhuma 33 % 33%