7º ENCONTRO DE FILARMÔNICAS EM ESTÂNCIA

Artigos : Editorial: As rodovias brasileiras
enviou em 11/08/2017 10:10:00 ( 88 leituras )
Artigos

O estado das rodovias públicas federais brasileiras melhorou 24 pontos percentuais, passando de 18,7% com classificação ótimo ou bom em 2004 para 42,7%, em 2016.

É o que diz o estudo Transporte Rodoviário – Desempenho do Setor, Infraestrutura e Investimentos divulgado ontem, em Brasília, pela Confederação Nacional do Transporte (CNT). A pesquisa avalia a evolução da qualidade da infraestrutura, os investimentos no setor e propõe ações para solucionar entraves.



Essa é a primeira análise da série histórica da Pesquisa CNT de Rodovias, compreendendo o período de 2004 a 2016. No levantamento, a CNT avalia 100% da malha federal do país e destaca que, apesar da evolução da qualidade, 57,3% das estradas públicas analisadas ainda apresentam condição inadequada ao tráfego, enquanto 42,7% foram consideradas ótimas ou boas.

Em 2016, cerca de 31 mil quilômetros ainda apresentavam deficiências no pavimento, na sinalização e na geometria. Esses problemas aumentam o custo operacional do transporte, comprometem a segurança nas rodovias e causam impactos negativos ao meio ambiente.

A pesquisa aponta que, nos 13 anos analisados, é possível perceber uma relação direta entre a qualidade das rodovias brasileiras e os investimentos federais em infraestrutura rodoviária. Em 2011, por exemplo, a União investiu o maior valor em infraestrutura de transporte no período: R$ 15,73 bilhões.

O estudo identificou que, naquele ano, o percentual de rodovias consideradas ótimas ou boas foi de 41,3%. Já em 2004, quando houve a menor aplicação de recursos no período analisado (R$ 3,90 bilhões em investimentos federais), apenas 18,7% das rodovias tiveram avaliação positiva na pesquisa da CNT.

Para a confederação, o histórico indicando que mais de 50% dos trechos pesquisados estão inadequados demonstra a falta de prioridade de investimentos em infraestrutura de transporte ao longo dos anos, apesar de a maior parte das cargas brasileiras e dos passageiros ser transportada pelas estradas.

O levantamento registrou ainda que, entre 2015 e 2016, houve aumento no número de pontos críticos (trechos com buracos grandes, quedas de barreiras, pontes caídas e erosões), passando de 327 para 414 ocorrências. Desses, 230 e 304, respectivamente, são trechos com buracos grandes.


Por: JornaldaCidade.Net

Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia -


Outros Artigos
20/01/2018 13:00:00 - BAIRRO BOMFIM DE ESTÂNCIA INICIOU NOVENÁRIO COM PREGAÇÃO DO BISPO BAIANO DE ALAGOINHAS
19/01/2018 15:50:00 - JACKSON E O SENADO: “Se Heleno quiser minha vaga, dou a ele”
19/01/2018 15:50:00 - Exame de sangue para câncer encontra oito tipos de tumores
19/01/2018 15:50:00 - Scarpa é apresentado no Palmeiras e evita brincar sobre "chapéu" em rivais
19/01/2018 15:40:00 - UM ANO APÓS MORTE DE ZAVASCKI, QUEDA DE AVIÃO É INVESTIGADA
19/01/2018 15:40:00 - Coreia do Sul quer manter reuniões regulares de alto nível com o Norte
19/01/2018 15:40:00 - Biblioteca terá programação no Dia da Consciência Negra
19/01/2018 15:40:00 - Pré-Carnaval & Feijoada Cabeçaju acontece dia 04
19/01/2018 15:40:00 - Suspeitos mortos em confronto tentaram matar desafeto
19/01/2018 15:30:00 - Município De Pirambu Começa Traçar A Estrutura Do Carnaval 2018



Marcar este artigo como favorito neste site

                   

 
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

ENQUETE

Qual a sua avaliação sobre o primeiro ano da gestão do prefeito Gilson Andrade de Estância
Boa 0%
Nenhuma das Alternativas 0%
Ótima 0%
Péssima 50 % 50%
Regular 50 % 50%
Ruim 0%

USUÁRIOS ONLINE

27 visitantes online (24 na seção: Notícias)

Usuários: 0
Visitantes: 27

mais...