7º ENCONTRO DE FILARMÔNICAS EM ESTÂNCIA

Artigos : Editorial: As rodovias brasileiras
enviou em 11/08/2017 10:10:00 ( 20 leituras )
Artigos

O estado das rodovias públicas federais brasileiras melhorou 24 pontos percentuais, passando de 18,7% com classificação ótimo ou bom em 2004 para 42,7%, em 2016.

É o que diz o estudo Transporte Rodoviário – Desempenho do Setor, Infraestrutura e Investimentos divulgado ontem, em Brasília, pela Confederação Nacional do Transporte (CNT). A pesquisa avalia a evolução da qualidade da infraestrutura, os investimentos no setor e propõe ações para solucionar entraves.



Essa é a primeira análise da série histórica da Pesquisa CNT de Rodovias, compreendendo o período de 2004 a 2016. No levantamento, a CNT avalia 100% da malha federal do país e destaca que, apesar da evolução da qualidade, 57,3% das estradas públicas analisadas ainda apresentam condição inadequada ao tráfego, enquanto 42,7% foram consideradas ótimas ou boas.

Em 2016, cerca de 31 mil quilômetros ainda apresentavam deficiências no pavimento, na sinalização e na geometria. Esses problemas aumentam o custo operacional do transporte, comprometem a segurança nas rodovias e causam impactos negativos ao meio ambiente.

A pesquisa aponta que, nos 13 anos analisados, é possível perceber uma relação direta entre a qualidade das rodovias brasileiras e os investimentos federais em infraestrutura rodoviária. Em 2011, por exemplo, a União investiu o maior valor em infraestrutura de transporte no período: R$ 15,73 bilhões.

O estudo identificou que, naquele ano, o percentual de rodovias consideradas ótimas ou boas foi de 41,3%. Já em 2004, quando houve a menor aplicação de recursos no período analisado (R$ 3,90 bilhões em investimentos federais), apenas 18,7% das rodovias tiveram avaliação positiva na pesquisa da CNT.

Para a confederação, o histórico indicando que mais de 50% dos trechos pesquisados estão inadequados demonstra a falta de prioridade de investimentos em infraestrutura de transporte ao longo dos anos, apesar de a maior parte das cargas brasileiras e dos passageiros ser transportada pelas estradas.

O levantamento registrou ainda que, entre 2015 e 2016, houve aumento no número de pontos críticos (trechos com buracos grandes, quedas de barreiras, pontes caídas e erosões), passando de 327 para 414 ocorrências. Desses, 230 e 304, respectivamente, são trechos com buracos grandes.


Por: JornaldaCidade.Net

Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia -


Outros Artigos
23/08/2017 14:10:00 - LULA: “LEVO DE SERGIPE A MAIS GRATA LEMBRANÇA E O CARINHO DO POVO”
23/08/2017 10:50:00 - Anvisa planeja nova mudança nos rótulos de alimentos
23/08/2017 10:40:00 - O Agosto de Temer
23/08/2017 10:40:00 - Tecnologias digitais colocam em xeque a cultura do livro impresso
23/08/2017 10:30:00 - Seis homens armados assaltam ônibus durante a madrugada
23/08/2017 10:30:00 - Criminosos cortam língua e matam idoso em Japaratuba
23/08/2017 10:30:00 - Padre acredita que igreja foi alvo de ritual pagão
23/08/2017 10:30:00 - Ulisses Freitas conquista 2 ouros em Copa Brasil de Paraciclismo
23/08/2017 10:20:00 - Tufão causa 3 mortes em Macau e numerosas inundações em Hong Kong
23/08/2017 10:20:00 - PF cumpre mandados judiciais em nova fase da Operação Lava Jato



Marcar este artigo como favorito neste site

                   

 
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

ENQUETE

De 1 à 5, que nota você daria à capinação das ruas de Estância.
Nenhuma 7 % 7%
Nota 1 28 % 28%
Nota 5 64 % 64%

USUÁRIOS ONLINE

11 visitantes online (8 na seção: Notícias)

Usuários: 0
Visitantes: 11

mais...