7º ENCONTRO DE FILARMÔNICAS EM ESTÂNCIA

Manchete : AUDIÊNCIAS DE CUSTÓDIA SOLTAM QUATRO A CADA DEZ PRESOS EM SERGIPE
enviou em 05/01/2018 10:30:00 ( 143 leituras )
Manchete

Quase metade dos presos em flagrante conquistaram a liberdade 24 horas depois do crime em Sergipe. Até o primeiro semestre de 2016, a Justiça de Sergipe livrou da cadeia 41,29% dos envolvidos e decidiu pela prisão preventiva de 58,71% nas audiências de custódia. De todas as unidades da Federação, Sergipe alcança a sétima posição entre os estados que menos soltaram acusados no período.

Além de ser considerada, pela Secretaria de Estado da Justiça (Sejuc), uma medida eficaz para não sobrecarregar ainda mais o já superlotado sistema carcerário sergipano, especialistas em direito e juristas reforçam que a liberdade provisória não significa impunidade. Mesmo livre, o réu enfrenta o processo penal e, ao fim do julgamento, pode cumprir a sentença numa unidade prisional.Pelo sistema processual penal, a regra é que a prisão em flagrante só seja convertida em preventiva em casos excepcionais de risco à população.

Por isso, furto simples, receptação, subtração de um produto ou de valores pequenos, acidentes de trânsito culposos (sem intenção de matar) e embriaguez ao volante são crimes em que geralmente a justiça decide pela liberdade do acusado.Mas, para tomar a decisão, também é levado em conta se há antecedentes criminais. Além disso, o juiz analisa a gravidade concreta do ato e se ocorreu violência ou grave ameaça. Por isso, um flagrante de tráfico de drogas, a depender do preso e da quantidade de entorpecentes, pode resultar em prisão preventiva.

O entendimento é que, quanto mais grave for o crime praticado, maior a probabilidade a pessoa tem de permanecer presa.Na avaliação da juíza coordenadora das audiências de custódia do Espírito Santo, Gisele Souza de Oliveira, as vantagens do procedimento são a garantia e a proteção dos direitos humanos, além do controle das prisões. “Não existem dúvidas de que uma pessoa que comete um latrocínio apresenta risco à sociedade e precisa ficar presa durante o processo, mas alguns outros delitos comportam outras medidas cautelares. Portanto, ficam presas apenas aquelas pessoas que ferem gravemente a ordem pública”, afirma.Para a magistrada, o procedimento também auxilia a organização criminal.

Na visão dela, significa trazer para à porta de entrada do sistema maior racionalidade. “Sem audiência de custódia, é como se o acesso ao presídio ficasse aberto, sem controle efetivo. Prisão não é solução para questões de segurança nem instrumento de segurança pública”, acrescenta Oliveira.Segundo o professor de direito penal e processo penal da Universidade Católica de Brasília, Águimon Rocha, para que haja a prisão, é necessário existir requisito presente na lei.

E, quando a pessoa tem o encarceramento relaxado, não significa que ela não terá a prisão decretada na sentença final.“Existe uma visão equivocada no Brasil que, quando alguém pratica um ato delituoso, a prisão é um efeito necessário. Nem sempre isso é verdade. A prisão só é um instrumento se preencher requisitos objetivos. A audiência de custódia é o meio mais rápido para que uma pessoa acusada seja levada à presença do juiz”, diz o especialista.

Contraditório

Mesmo em liberdade, o réu responde a um processo criminal. No fim, se condenado, pode ou não ficar preso, a depender da pena imputada. Quando a sentença prevê até quatro anos de detenção, por exemplo, a medida é transformada em alternativa, como prestação de serviço à sociedade. Nos casos de quatro a oito anos, o réu cumpre pena em regime semiaberto, ou seja, fica de segunda a sexta-feira na cadeia e sai aos fins de semana. E, a partir de oito anos, o regime é fechado.Segundo dados do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen), divulgado em 8 de dezembro passado, 30% dos presos em 2016 cumpriam pena de 4 a 8 anos de prisão; 26%, de 8 a 15 anos; e 11%, de 15 a 30 anos. Só 7% foram condenados de 30 a 50 anos; e 3%, a mais de 50.

Tortura

Na avaliação da doutora em Direito, Estado e Constituição pela Universidade de Brasília (UnB) Carolina Costa Ferreira, um dos desafios das audiências de custódia é a implementação do processo em uma lei federal, pois o trabalho é realizado a partir de uma resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).“Mas, ao mesmo tempo, esse instrumento permite um filtro de quais pessoas precisam ficar presas. É uma oportunidade importantíssima no Estado democrático de direito para que apenas aquelas pessoas que têm necessidade de ficarem presas, de fato, fiquem”, ressalta Carolina Costa.Segundo ela, outro ponto importante é a possibilidade de o preso se posicionar sobre a atuação da polícia. “É um momento que ele tem de falar se houve tortura ou maus-tratos. Abre uma janela importantíssima sobre os serviços prestados pela polícia, e um outro desafio é aprimorar a investigação da tortura no Brasil”, afirma.*Com informações do Correio Braziliense.

Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia -


Outros Artigos
15/10/2018 10:10:00 - Disputa antecipada pela Presidência da Assembleia
15/10/2018 10:00:00 - EDITORIAL: Abaixo a discriminação
15/10/2018 10:00:00 - Crise chega aos bares e restaurantes de Aracaju
15/10/2018 08:30:00 - IML RECOLHE 23 CORPOS NO FINAL DE SEMANA; 20 MORTES VIOLENTAS
15/10/2018 08:30:00 - Meghan Markle está grávida do primeiro filho com o príncipe Harry
15/10/2018 08:30:00 - Bolsonaro e Haddad intensificam as agendas a 13 dias do segundo turno
15/10/2018 08:20:00 - ‘Sarau das Estações’ acontece em Aracaju
15/10/2018 08:20:00 - Jovem morre afogado durante pescaria em Itabaianinha
15/10/2018 08:20:00 - Série A-2: Estanciano e Guarany empatam em primeiro jogo da decisão
15/10/2018 08:20:00 - As substâncias proibidas na Europa e nos EUA e usadas pela indústria de cosméticos no Brasil



Marcar este artigo como favorito neste site

                   

 
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

ENQUETE

Nessas próximas eleições estaduais, dos candidatos por Estância, quem será mais votado em Estância?
Adriana Leite 45 % 45%
Carlos Magno 9 % 9%
Diogo 0%
Jonas do Caldo de Cana 0%
Márcio Souza 27 % 27%
Pastor Moacir 0%
Paulo André 0%
Titó 9 % 9%
Valdevan 90 0%
Zeca das Redes 9 % 9%

USUÁRIOS ONLINE

43 visitantes online (42 na seção: Notícias)

Usuários: 0
Visitantes: 43

mais...