7º ENCONTRO DE FILARMÔNICAS EM ESTÂNCIA

Nacionais : Homens brancos ganham 63% a mais que mulheres negras
enviou em 13/06/2018 09:50:00 ( 130 leituras )
Nacionais

Pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva mostra diferença entre gêneros com com a mesma idade e grau de escolaridade

Um homem branco, paulistano, com 40 anos e com curso superior, ganha 63% a mais de salário do que uma mulher negra com as mesmas condições.Na prática, isso quer dizer que, se uma mulher negra ganha R$ 2.000 para um cargo, um homem branco ganha R$ 3.260,00 para ocupar a mesma posição, sendo que os dois têm o mesmo nível de instrução e a mesma qualificação.


Em relação a uma mulher branca, nascida em São Paulo, com a mesma idade e grau de escolaridade, a diferença entre os salários é de 24%.

Na média, uma mulher recebe 74% do salário de um brasileiro. A equiparação de salários entre sexos injetaria R$ 461 bilhões na economia do Brasil.

Esta é a conclusão de uma pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva e que foi apresentada no Women 20 Outreach Brazil, em São Paulo. Renato Meirelles comentou o estudo.

— Ele revela que se por um lado a mulher conseguiu avançar no mercado de trabalho, por outro lado há uma diferença gigantesca entre homens e mulheres.

A professora de sociologia da FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo) Marta Bergamin diz que o abismo entre os salários tem ligação com a estrutura patriarcal da sociedade brasileira.

— As mulheres têm estudado mais, estação mais presentes no mundo universitário há alguns anos e isso não reflete em melhores salários. Pelo menos, não na velocidade que gostaríamos. Tem toda uma estrutura que faz com que as mulheres ainda sejam vistas com um papel social de cuidar da casa.

Ainda de acordo com Bergamin, o panorama é pior para as mulheres negras devido à falta de políticas públicas.

— Para os negros, em geral, temos uma dívida que não conseguimos suprir. Precisaríamos de políticas públicas de fato, políticas de cota. Algumas experiências mostram que a diferença no ambiente de trabalho é benéfica por conta da diversidade de pensamentos. As mulheres negras ainda não se veem nesse lugar de força porque não têm oportunidade.

Vida pessoal e profissional

A desigualdade não para apenas no salário. Entre as mulheres que não estão no mercado de trabalho, 18% apontam como principal motivo não ter com quem deixar os filhos. No entanto, em relação aos homens, o percentual com esta justificativa é nulo.

Segundo o estudo, mulheres dedicam mais tempo a vida familiar do que os homens. Em relação a quem trabalha, mulheres dedicam 53% do tempo para carreira e 47% para a vida familiar. Já os homens gastam 79% do tempo com a vida profissional e apenas 21% para a vida familiar.

Bergamin diz acreditar que o machismo faz com que as mulheres gastam mais tempo com atividades domésticas.

— Os homens participam pouco dos trabalhos domésticos por causa dessa noção de que as mulheres têm de exercer os trabalhos da casa. Isso deixa evidente a questão machista no mercado de trabalho.

PublicidadeFechar anúncio
De acordo com a professora, as mulheres também reproduzem as práticas que regem o mercado de trabalho.

— A meritocracia perpetua a ausência das mulheres no mercado e nos cargos de chefia, porque tem uma pirâmide. As mulheres têm que provar muito mais do que o homem, têm que ser excelentes e acabam num padrão masculino em que a gente valoriza a força e a coragem como características de bons gestores. Essa cultura está arraigada.

Tarefas diárias

Conforme o estudo, 93% das mulheres realizaram afazeres domésticos e/ou cuidados com pessoas. Destas, em média, gastaram 92 horas semanais com atividades do lar.

Já em relação aos homens, o número é menor tanto em relação a quantidade quanto de horas dedicadas. Entre eles, 64% dos homens declararam que fazem atividades em casa e gastam, em média, 47 horas.

Se as mulheres ganhassem pelo trabalho doméstico o que ganham em média de salário no mercado de trabalho, elas receberiam mais R$ 1,066 trilhão por ano.

Para Meirelles, o machismo vai além da questão social.

— O machismo também interfere na economia. Não são só as mulheres que perdem, todos perdem por causa do machismo.

A professora concorda com Meirelles. Segundo ela, as relações de trabalho que estão sendo perpetuadas afetam no aprendizado.

— O mercado precisa experimentar coisas diferentes. Pessoas de lugares sociais distintos trazem outras experiências. O problema é que isso ainda não é visto como uma qualidade importante para ser remunerada.

Mulheres e economia

As mulheres movimentam aproximadamente R$ 1,727 trilhão por ano. Elas respondem por R$ 41 de cada R$ 100 recebidos por brasileiros.

Nos últimos 20 anos, 8,3 milhões de mulheres ingressaram no mercado de trabalho. Ainda de acordo com o estudo, 29 milhões de lares são chefiados por elas.

Mesmo assim, menos da metade das (47%) das mulheres brasileiras possuem conta corrente e apenas 31% das mulheres brasileiras se dizem seguras financeiramente. Além disso, somente 29% das mulheres brasileiras afirmam saber como aplicar o seu dinheiro.

Sobre representatividade na publicidade, o valor é ínfimo: 7% das mulheres brasileiras se reconhecem em uma propaganda de TV.


do R7

Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia -


Outros Artigos
19/10/2018 17:50:00 - POSIÇÃO DO PSOL SERGIPE SOBRE O SEGUNDO TURNO DAS ELEIÇÕES 2018
19/10/2018 17:40:00 - EDITAL DE PROCLAMAS Nº 1567
19/10/2018 15:00:00 - PREFEITURA DE SANTA LUZIA ATENDE PEDIDO DE COMUNIDADES RURAIS E LEVA ÁGUA PARA MORADORES
19/10/2018 14:50:00 - BRASIL TEM 477 GRÁVIDAS E LACTANTES NO SISTEMA CARCERÁRIO
19/10/2018 14:50:00 - O PASSEIO DA TIETA
19/10/2018 12:30:00 - Invasão Heatmus no RioMar
19/10/2018 12:00:00 - Justiça Eleitoral cassa mandato do deputado eleito Talysson de Valmir
19/10/2018 11:50:00 - 9 sinais biológicos de que você está envelhecendo
19/10/2018 11:40:00 - Borja e Deyverson treinam no Palmeiras e podem jogar domingo
19/10/2018 11:40:00 - Suspeito da execução de Khashoggi morre em acidente de carro



Marcar este artigo como favorito neste site

                   

 
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

ENQUETE

Nessas próximas eleições estaduais, dos candidatos por Estância, quem será mais votado em Estância?
Adriana Leite 45 % 45%
Carlos Magno 9 % 9%
Diogo 0%
Jonas do Caldo de Cana 0%
Márcio Souza 27 % 27%
Pastor Moacir 0%
Paulo André 0%
Titó 9 % 9%
Valdevan 90 0%
Zeca das Redes 9 % 9%

USUÁRIOS ONLINE

40 visitantes online (34 na seção: Notícias)

Usuários: 0
Visitantes: 40

mais...