7º ENCONTRO DE FILARMÔNICAS EM ESTÂNCIA

Internacionais : Envelhecimento da população leva Japão a dar casas até de graça
enviou em 06/12/2018 09:50:00 ( 55 leituras )
Internacionais

Mais de 8 milhões de propriedades em território japonês estão desocupadas e quase 25% destas foram abandonadas indefinidamente

O envelhecimento da população no Japão está fazendo o país passar por uma crise habitacional inédita, que vem sendo contornada com uma solução inusitada: a oferta de casas a preços baixíssimos e até de graça.


Um relatório do governo, feito em 2013, informa que mais de 8 milhões de propriedades em território japonês estão desocupadas e que quase 25% destas foram abandonadas indefinidamente. As informações são do jornal The Japan Times.

E a expectativa é a de que esse número aumente ainda mais nas próximas décadas, pelo fato de a quantidade de mortes estar superando a de nascimentos no país.

Segundo o Nomura Research Institute, a população japonesa deve cair 30% até 2065. Tal fenômeno deverá elevar o número de residências abandonadas para 21,7 milhões até 2033.


Para lidar com esse excesso de imóveis abandonados, algumas soluções inusitadas foram criadas. Uma delas, organizadas pelas administrações municipais, é a formação de bancos akiya (casas vagas, em japonês).

Herdeiros não querem as casas

Os bancos akiya fornecem uma lista online de milhares de propriedades abandonadas, que são negociadas a preços mais baixos. Muitas dessas casas tiveram moradores idosos que morreram.

Tem sido cada vez mais comum os herdeiros, por algum motivo, não quererem utilizá-las. Há propriedades que estão sendo oferecidas gratuitamente.

Uma residência em Wakayama e outra na província de Yamaguchi, por exemplo, estão sendo oferecidas de graça, pelo fato de terem sido herdadas por crianças que não desejam assumir a responsabilidade pelos imóveis.

Construções antigas

A maioria, porém, está sendo vendida a preços abaixo do mercado, que vão de 500 mil ienes (cerca de R$ 17,1 mil) a 20 milhões de ienes (R$ 683 mil). Para a realização do negócio, são levados em conta o tempo de construção, a localização e as condições de manutenção.

Grande parte dessas construções é antiga e, por elas terem sido erguidas no boom imobiliário pós-Segunda Guerra, necessitam de reformas, o que desestimula a utilização.

A superstição, muitas vezes pelo fato delas serem associadas à morte, também é um fator prejudicial para a venda.

Para o economista Francisco Pessoa Faria Júnior, mestre em Economia pela Universidade de São Paulo, mesmo com a construção civil ainda estando em crescimento no Japão, a tendência é de haver uma redução deste setor nos próximos anos.

"Isso explica por que sempre devemos olhar para o PIB (Produto Interno Bruto) per capita de um país. Em termos de PIB geral, essa questão imobiliária poderá contribuir para uma queda. Mas, no futuro, a população também vai diminuir e, dividindo o total do PIB por um número menor de pessoas, a qualidade de vida pode ser mantida. O Japão terá de se reajustar dentro dessa nova realidade."

Para tentar amenizar o problema em curto prazo, existe também a possibilidade de prefeituras e governos de províncias japonesas darem vantagens tributárias a proprietários que realizem a demolição dos imóveis vazios.


do R7

Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia -


Outros Artigos
20/02/2019 11:00:00 - Aeroportos no prego
20/02/2019 11:00:00 - Ford fechará fábrica de São Bernardo; 3,2 mil trabalhadores serão demitidos
20/02/2019 10:50:00 - Homem é morto a tiros na frente do filho de três anos de idade
20/02/2019 10:40:00 - OPERAÇÃO POLICIAL EM MARUIM DEIXA UM MORTO EM TROCA TIROS
20/02/2019 10:40:00 - Com Reforma Da Previdência, Brasil Deslanchará, Diz Bolsonaro
20/02/2019 10:40:00 - MEMORIAL DE ESTÂNCIA RECEBE EXPOSIÇÃO SOBRE A UMBANDA
20/02/2019 10:30:00 - Mais 2 Deputados Estaduais Dizem Que Podem Disputar Prefeituras Do Interior
20/02/2019 08:50:00 - VICE-PRESIDENTE MOURÃO DEMONSTRA SER CONTRA HIBERNAÇÃO DA FAFEN EM SERGIPE
20/02/2019 08:50:00 - FALTA CARNE NAS FEIRAS E MERCADOS DO INTERIOR
19/02/2019 09:50:00 - Luciano Pimentel adere a Frente Parlamentar de Defesa da Mulher



Marcar este artigo como favorito neste site

                   

 
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

ENQUETE

Dos últimos prefeitos e o atual, em dois anos de mandato, quem fez mais por Estância?
Carlos Magno
Gilson Andrade
Ivan Leite
Na sua opinião, quantos candidatos a prefeito Estância deve lançar em 2020?
Três 25 % 25%
Quatro 0%
Cinco 75 % 75%

USUÁRIOS ONLINE

31 visitantes online (29 na seção: Notícias)

Usuários: 0
Visitantes: 31

mais...