7º ENCONTRO DE FILARMÔNICAS EM ESTÂNCIA

Manchete : Professor Dudu deixa a presidência da CUT
enviou em 02/12/2019 10:10:00 ( 63 leituras )
Manchete

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) começou a fazer na sexta-feira o seu 14º Congresso Estadual (CECUT), que reúne seus militantes para eleger a nova direção e aprovar a estratégia de luta sindical para os próximos anos. Rubens Marques, mais conhecido 'Professor Dudu', deixa a presidência da CUT após 10 anos de mandato.

Nesta entrevista, ele faz um balanço do mandato uma avaliação geral da realidade atual e traça perspectivas de futuro da luta sindical no Brasil e em Sergipe. Veja agora os principais trechos:

Quais os principais desafios que a CUT enfrentou em Sergipe neste último mandato?

Desde a Ditadura Militar de 1964, principalmente a CUT - por ser a maior central sindical do Brasil - nunca passou por tantas dificuldades e desafios. Pela primeira vez na história do Brasil, um presidente da República tem a Central Única dos Trabalhadores como alvo. Ele verbaliza o nome da CUT como inimiga e tem uma conduta de perseguição aos sindicatos. Bolsonaro foi capaz de extinguir o Ministério do Trabalho, órgão que dialogava diretamente com a classe trabalhadora, para afetar a organização dos trabalhadores. Em outros governos a gente brigava para ampliar direitos, mesmo na ditadura. Neste último mandato da CUT fizemos luta e resistência contra os ataques aos direitos dos trabalhadores. É o governo que mais atacou e continua atacando os direitos dos trabalhadores. Só o fato de conseguirmos resistir a todos estes ataques e sobreviver já foi uma grande vitória.

A carteira verde e amarela proposta por Bolsonaro significa uma nova reforma trabalhista e nova reforma da previdência, atingindo direitos e gerando consequências nefastas para os trabalhadores e trabalhadoras brasileiras. Esta nova ofensiva pode impulsionar uma nova greve geral?

Sobre a carteira verde e amarela, isso é uma tragédia. Ela impacta na Previdência, por exemplo. Se não tem contribuição, vai esvaziar o fundo previdenciário. É uma semi-escravidão. É uma pena que a classe trabalhadora tenha que virar cinza para ressurgir como uma 'fênix'. Vou repetir: o exemplo da Venezuela, Argentina, Chile e Bolívia pode ser absorvido pela classe trabalhadora brasileira. É uma pena que a reação não seja à altura do que se merece.

Quando você assumiu a CUT, qual era sua principal preocupação?

Era conseguir fazer com que a CUT continuasse crescendo sem abrir mão de seus princípios. Eu gostaria de destacar: se tem alguma coisa que ninguém pode falar sobre a CUT Sergipe é da autonomia. Na CUT quem manda é os trabalhadores. Já houve tentativa de fazer da CUT correia de transmissão para outros partidos políticos, mas nós não deixamos. Pra você ter uma ideia, desde o tempo em que eu tô aqui na CUT, nenhum governador veio fazer comício, porque na verdade não vem em tempo nenhum e quando chega a eleição não dá pra querer visitar a CUT, apresentar a plataforma, nem governador, nem senador, nem deputado, nem ninguém. No nosso mandato, o espaço continua sendo da classe trabalhadora, mantivemos nossa autonomia. E quando foi para criticar, criticamos. Inclusive criticamos o governo Marcelo Déda que na juventude chegou a ser advogado da CUT. Nem no governo dele, a CUT perdeu a sua independência. Pelo contrário, a CUT fez uma disputa clara e aberta para mostrar que entre o governo e a classe trabalhadora, nós estamos com a classe trabalhadora sempre e vamos terminar o mandato desta forma com autonomia para cobrar. O nosso papel é esse, não é outro. Autonomia não se negocia.

Qual é a CUT que neste momento você está deixando para o próximo presidente que vai assumir vencendo as eleições no Congresso Estadual?

A CUT nos últimos anos fez o dever de casa. É bom lembrar que sempre foi uma central respeitada não só pelo meu mandato, mas desde sua fundação e sempre teve uma pegada muito forte pela esquerda. Eu fui vice de Antônio Góis, urbanitário da Deso. Aprendi muito com ele e de vez em quando ainda tenho ligado para pedir orientação. A minha primeira preocupação como presidente era manter a CUT respeitada, proativa, que protagonizasse as lutas em Sergipe, não por se achar melhor que ninguém, do que outras centrais, mas pela responsabilidade de sermos maiores, abrigando o maior número de sindicatos filiados. E nós conseguimos.

A CUT que a gente deixa para a próxima gestão aprendeu a construir a unidade respeitando as diferenças. É uma CUT que sabe ser maioria sem ser arrogante. Este é o maior problema, tanto é que a gente consegue dialogar com centrais com menor número de sindicatos filiados, mas o tratamento é o mesmo. A gente reconhece a importância delas. A CUT sozinha, por exemplo, não teria conseguido sucesso na greve geral. Só teve sucesso porque teve a CTB, UGT, a CSP Com Lutas dividindo tarefas. Cada um na sua trincheira. Então o grande legado que a nossa gestão deixa é de uma CUT respeitada, um canal aberto pra dialogar com o movimento sindical, mas também com o movimento social, como o MST, o movimento de moradia e tantos outros movimentos sociais de Sergipe.


jornaldodiase.

Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia -


Outros Artigos
10/12/2019 12:10:00 - EM SANTA LUZIA DO ITANHI, CONSELHEIROS TUTELARES ELEITOS E SUPLENTES PASSAM POR CAPACITAÇÃO
10/12/2019 12:00:00 - Whatsapp é principal fonte de informação do brasileiro, diz pesquisa
10/12/2019 12:00:00 - Agências da Receita Federal nos municípios de Estância e Propriá vão mudar de endereço
10/12/2019 11:50:00 - Caminhões a Gás de fabricação chinesa são apresentados em Sergipe
06/12/2019 11:40:00 - Maria Feliciana precisa de ajuda para tratamento
06/12/2019 11:30:00 - Polícia Civil prende o sexto integrante envolvido na associação criminosa da cidade de Estância
05/12/2019 18:20:00 - Congresso Pode Acabar Com Prisão Disciplinar Para Os Policiais E Bombeiros Militares
04/12/2019 16:50:00 - Líderes mundiais querem ampliar luta contra aquecimento global
04/12/2019 16:50:00 - TCE decide entre Clóvis e Flávio
04/12/2019 16:20:00 - Festival do Jegue acontece neste fim de semana em Itabi



Marcar este artigo como favorito neste site

                   

 
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

ENQUETE

Você acredita numa possível aliança de Márcio Souza com os grupos políticos de Ivan e Carlos Magno?
Não 16 % 16%
Nenhuma 0%
Sim 83 % 83%
Você acredita que o vereador André Graça será o vice de Gilson em 2020?
Sim 66 % 66%
Não 0%
Nenhuma 33 % 33%