7º ENCONTRO DE FILARMÔNICAS EM ESTÂNCIA

Manchete : PRIMEIRA CORDELISTA DE SERGIPE, RADICADA EM ESTÂNCIA JÁ PRODUZIU MAIS DE SETENTA CORDEIS
enviou em 01/08/2014 16:10:00 ( 2666 leituras )
Manchete

É até clichê dizer, mas a cada dia as mulheres dominam mais e mais espaços reservados a homens. E é num ambiente amplamente masculino que a nossa entrevistada de hoje ocupou seu espaço. Intitulada a primeira cordelista do sexo feminino em Sergipe, “dona” Salete Nascimento, nascida no pequeno povoado do município de Nossa Senhora das Dores, hoje é um nome de referência nesse gênero tão próprio da cultura nordestina.

Sócia fundadora do Clube dos Poetas Sergipanos, a escritora levou a sua bagagem cultural para diversos países de língua portuguesa através da revista “Na Trilha do Descobrimento do Brasil”. Nesse bate-papo com o CI, a poetisa e cordelista conta um pouco do início de sua carreira e da sua paixão pela literatura de cordel.

[b]Cultura Interativa: Como surgiu o interesse pelo cordel?


[/b]Salete Nascimento: O interesse surgiu desde a infância. Eu gostava de rimas, meu pai lia bastante cordel para a gente. Eu aprendi a ler praticamente pelo cordel. A partir de cinco anos eu tinha curiosidade de saber o que tinha naquele livreto. É uma coisa que vem da infância.

Quando eu quis fazer cordel, a conversa era a mesma. É coisa para homem, mulher nunca faz cordel. Aí me calei, comecei a fazer poesia. Escrevi meu primeiro livro de poesias, “Nas Asas do Vento”. Lancei o livro em 2003. Aí falei, agora ninguém me segura, eu vou lançar é o meu cordel. Fiz uma história real, “O triste fim de Raimundo”. De lá para cá não parei mais. É uma coisa nata. Eu gosto de fazer ficção, aventura. Tudo me fascina no cordel

C. I.: Quais são suas grandes influências no cordel. Ou o fato de ser mulher, você não teve nenhuma influência masculina?

S. N.: Não tive influência nenhuma. Eu gostava de ler e lendo eu me identifiquei com a leitura. Eu achei que não era coisa apenas masculina, era coisa de mulher mesmo. Daí eu fiz o primeiro, meu esposo não disse nada, disse ‘tá bom, tá bonito. Mulher, você tem coragem?”. Eu disse que tinha e fui adiante.

C.I. Quantos cordéis a senhora produziu, tem idéia?


S. N. Numa faixa de setenta, por aí.

C.I. E essa parte de venda, de reconhecimento de trabalho, como a senhora analisa?


S. N. Não é essa coisa toda. A gente trabalha por gostar, por querer, mas a gente não tem esse reconhecimento todo. O reconhecimento de ser a primeira mulher cordelista me deixou vaidosa porque fui uma mulher ousada. Acho que tem campo para todas as mulheres, porque as mulheres estão com tudo. A mulher precisa abrir a mente e botar o que tem para fora.

C.I. Como a senhora acha que está o cenário do cordel em Sergipe. A senhora tem contato com os demais cordelistas do estado?

S. N.Eu tenho contato com todos pois sou vice-presidente da Associação de Cordelistas do estado. Graças a Deus está se saindo bem. Os cordelistas estão sendo reconhecidos. O nosso amigo Ronaldo Dória, seu Pedro Amaro. Tem uma turma muito boa. Tem uma senhora Alda, que me chama de mestra, está com o trabalho dela. Está melhorando. É a nossa primeira cultura, nossa primeira literatura, os nossos primeiros escritos foram os cordelistas, trazidos pelos portugueses, trazidos na época das Capitanias Hereditárias, espalhando-se por todo o Nordeste. Está melhorando, mas era algo muito preparado. O cordel é nordestino, nós temos que lutar pelo cordel. O cordel é nosso, a gente tem que lutar por essa beleza.

[b]C. I. Quais são os temas que a senhora mais se utiliza? São temas regionais, a senhora tenta trabalhar com temas mais gerais também? Qual seu foco de inspiração em relação a temas?

[/b]
Eu tenho muitos cordéis que não são da minha inspiração. São cordéis solicitados. 100 anos de alguém. O SEBRAE me solicita, o INSS também. Uma cidade como a Barra de São Miguel, Nossa Senhora das Dores. Tem certos cordéis que a gente não põe para vender. Aí não é da minha intuição, mas dá muito trabalho pois preciso pesquisar muito. Mas o que eu gosto de fazer é ficção, aventura. Na hora que me sento, vem o nome, já vem tudo. E também faço temas nordestinos. Eu faço os políticos politiqueiros na visão dos cordelistas.

C.I. Quanto tempo a senhora leva em média a senhora leva para produzir um cordel?

S.N. Quando é da minha inspiração eu me sento e faço trinta, trinta e três estrofes. No outro dia eu faço a correção. Dá trabalho porque vou passar para o computador, fazer a boneca para o cordel. Aí gasto mais tempo.

C.I. Qual o trabalho que a Associação dos Cordelistas e Repentistas?

S.N. Foi justamente para ver se tinha mais influência o cordel na sociedade. Estava tudo muito parado. Aí tentamos juntar o cordelista e criar na associação. No início estava indo muito bem, mas mudou o presidente. O presidente estava se ocupando com as obrigações de repentista. Hoje está um pouco parado, infelizmente. A nossa intenção é trazer alunos, fazer oficinas. Você sabe que dentro de uma sala de 30 alunos, tem um ou dois que têm tendência para a rima, o cordel. Nossa intenção é aproveitar esses alunos. De algum maneira eles vem sendo aproveitados, mas não da maneira que a gente queria.


Site: Cultura Interativa

Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia -


Outros Artigos
21/03/2019 09:30:00 - Planalto pressiona para enterrar CPI de Alessandro
20/03/2019 11:40:00 - MÁRCIO SOUZA: “DIRIA QUE PARA NÓS POUCO IMPORTA SE IVAN E GILSON CAMINHARÃO JUNTOS OU SEPARADOS”
20/03/2019 11:30:00 - VALDEVAN 90 AFIRMA SER CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA
20/03/2019 11:10:00 - DEUS, PT, MERCADO E PIADA COM HOMOFOBIA: A 1ª FALA DE BOLSONARO NOS EUA
20/03/2019 10:10:00 - Terremoto de 5,5 graus deixa três mortos e 182 feridos na Indonésia
20/03/2019 10:00:00 - MPF/SE processa DNIT e União para acelerar a conclusão da duplicação da BR-101
20/03/2019 10:00:00 - Patriotismo baba ovo
20/03/2019 10:00:00 - Última superlua de 2019 brilhará no céu na noite desta quarta-feira (20)
20/03/2019 09:50:00 - Senador protocola pedido de criação da CPI da Lava Toga
20/03/2019 09:50:00 - Para Bolsonaro, encontro com Trump abre "novas frentes de cooperação"



Marcar este artigo como favorito neste site

                   

 
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

ENQUETE

Dos últimos prefeitos e o atual, em dois anos de mandato, quem fez mais por Estância?
Carlos Magno 75 % 75%
Gilson Andrade 8 % 8%
Ivan Leite 16 % 16%
Na sua opinião, quantos candidatos a prefeito Estância deve lançar em 2020?
Três 25 % 25%
Quatro 0%
Cinco 75 % 75%

USUÁRIOS ONLINE

29 visitantes online (27 na seção: Notícias)

Usuários: 0
Visitantes: 29

mais...