7º ENCONTRO DE FILARMÔNICAS EM ESTÂNCIA

Política : PETISTAS TEMEM QUE ''FAXINA'' DE DILMA CARIMBE GESTÃO DE LULA COMO ''CORRUPTA''
enviou em 19/08/2011 13:30:00 ( 660 leituras )
Política

A 'faxina' no governo da presidente Dilma Rousseff, que já derrubou quatro ministros em dois meses e doze dias, causa extremo desconforto no PT. Dirigentes do partido, senadores, deputados e até ministros temem que, com a escalada de escândalos revelados nos últimos meses - especialmente nas pastas dos Transportes, do Turismo e da Agricultura -, o governo de Luiz Inácio Lula da Silva acabe carimbado como corrupto. Todos os abatidos na Esplanada foram herdados de Lula.


Em conversas a portas fechadas, petistas criticam o estilo de Dilma, a 'descoordenação' na seara política e o que chamam de 'jeito duro' da presidente. Uma das frases mais ouvidas nessas rodas é: 'Temos de defender o nosso projeto e o Lula.' Mesmo os que não pregam abertamente a volta de Lula na eleição de 2014 dizem que Dilma está comprando brigas em todas as frentes - do Congresso ao movimento sindical -, sem perceber que, com sua atitude, alimenta o 'insaciável leão' do noticiário e incentiva o tiroteio entre aliados.

Na avaliação de petistas, o poderoso PMDB - que na quarta-feira perdeu o ministro da Agricultura, Wagner Rossi - não é confiável e acabará dando o troco a qualquer momento.

Dilma chamou ministros e dirigentes do PT para uma conversa no domingo à noite, no Alvorada. A presidente pediu o encontro para ouvir a avaliação de auxiliares sobre a crise na base.

Ela contou ali sobre a reunião com Lula na semana anterior, admitiu a necessidade de se reaproximar dos partidos que compõem a coligação e avisou que teria um tête-à-tête no dia seguinte com o vice-presidente Michel Temer e com os líderes do PMDB na Câmara e no Senado. Àquela altura, a situação de Rossi era considerada complicada, mas ainda não havia sido divulgada a notícia do uso do jatinho de uma empresa que tem negócios com o governo pelo então ministro, afilhado de Temer.

Com receio da reação de Dilma - conhecida pelo temperamento explosivo -, alguns ministros pontuaram, com todo o cuidado, os problemas de relacionamento no Congresso após as demissões e citaram o PMDB e o PR. As alianças para as eleições municipais de 2012 também entraram na conversa. Diante de Dilma, no entanto, ninguém rasgou o verbo e muito menos criticou o estilo adotado por ela.

Um ministro disse ao Estado, sob a condição de anonimato, que, não fosse a pesquisa CNI/Ibope recém saída do forno - o levantamento fora divulgado na quarta-feira, quatro dias antes da reunião no Alvorada -, a presidente acharia que tudo estava bem. Naquela pesquisa, a avaliação favorável do governo Dilma caiu 8 pontos em relação à sondagem anterior, de março, quando 56% dos entrevistados consideraram o governo Dilma 'ótimo ou bom'. Agora foram 48%.

Embora Dilma tenha falado sobre a necessidade de curar feridas em sua base de sustentação no Congresso, em nenhum momento ela mostrou arrependimento na forma como tem agido. Segundo relatos, a presidente disse que precisou fazer uma reformulação no Ministério dos Transportes, administrado pelo PR, por causa de irregularidades descobertas no setor. Mas não seria sua intenção recorrer a uma 'faxina geral' na Esplanada, sem motivos concretos.

Uma mudança de estratégia, no entanto, foi acertada no Alvorada. Dilma concordou que o governo precisa divulgar melhor os seus programas e criar uma agenda positiva para reagir à crise. Não foi só: ela também garantiu aos petistas que viajará mais e dará mais entrevistas aos veículos de comunicação do interior.

Há dez dias, 12 parlamentares do PT procuraram as ministras da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, no Planalto. Avisaram que o governo Dilma caminhava para o isolamento no Congresso. No diagnóstico dos petistas que foram ao Planalto, a presidente 'desarmou a linha de defesa' ao promover a 'faxina' ética sem retaguarda política. Quando as ministras quiseram saber qual era a principal queixa, um dos participantes respondeu: 'O problema é a próxima crise'.


Fonte: O Estadão

Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia -


Outros Artigos
16/09/2019 12:20:00 - MULHERES DE SANTA LUZIA SÃO ATENDIDAS PELOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS DO PAIF
16/09/2019 10:00:00 - DOIS HOMENS SÃO MORTOS E UMA MULHER FERIDA DURANTE ASSALTO EM ITAPORANGA
16/09/2019 10:00:00 - Marinete Do Forró É Opção Atrativa Para Turistas Que Visitam Aracaju
16/09/2019 10:00:00 - NÚMERO DE CIRURGIAS BARIÁTRICAS AUMENTA 84,73% EM SETE ANOS
16/09/2019 10:00:00 - CAIXA TEM HORÁRIO ESTENDIDO HOJE E AMANHÃ PARA SAQUE DO FGTS
16/09/2019 10:00:00 - Casa Branca confirma morte de filho de Osama bin Laden
16/09/2019 10:00:00 - Vencedor da Libertadores enfrentará Esperánce ou campeão asiático no Mundial de Clubes
16/09/2019 09:50:00 - Praia do Saco: O apelo de Magno Malta
16/09/2019 09:50:00 - COOPANEST-SE EMITE NOTA DE ESCLARECIMENTO SOBRE PARALISAÇÃO NO HRAM
16/09/2019 09:30:00 - OAS afirma que assumiu obra deficitária na Bolívia por exigência de Lula



Marcar este artigo como favorito neste site

                   

 
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

ENQUETE

Você acredita numa possível aliança de Márcio Souza com os grupos políticos de Ivan e Carlos Magno?
Não 16 % 16%
Nenhuma 0%
Sim 83 % 83%
Você acredita que o vereador André Graça será o vice de Gilson em 2020?
Sim 66 % 66%
Não 0%
Nenhuma 33 % 33%

USUÁRIOS ONLINE

31 visitantes online (29 na seção: Notícias)

Usuários: 0
Visitantes: 31

mais...