Sergipe

SE VIVO ESTIVESSE, O EMPRESÁRIO RAIMUNDO JULIANO COMPLETARIA 89 ANOS DE NASCIMENTO

Um empresário estanciano que ficou conhecido nacionalmente

Publicada em 19/07/21 às 11:40h - 374 visualizações

por Atribuna Cultural/Com informação do site Fasouto


Compartilhe
Compartilhar a notícia SE VIVO ESTIVESSE, O EMPRESÁRIO RAIMUNDO JULIANO COMPLETARIA 89 ANOS DE NASCIMENTO  Compartilhar a notícia SE VIVO ESTIVESSE, O EMPRESÁRIO RAIMUNDO JULIANO COMPLETARIA 89 ANOS DE NASCIMENTO  Compartilhar a notícia SE VIVO ESTIVESSE, O EMPRESÁRIO RAIMUNDO JULIANO COMPLETARIA 89 ANOS DE NASCIMENTO

Link da Notícia:

SE VIVO ESTIVESSE, O EMPRESÁRIO RAIMUNDO JULIANO COMPLETARIA 89 ANOS DE NASCIMENTO
Raimundo Juliano, personalidade sergipana  (Foto: Divulgação)

O senhor Raimundo Juliano, filho de Estância, foi um orgulho de vida e de luta para sua cidade natal e, sobretudo, para Sergipe. Ele, reconhecido nacionalmente, era filho de família humilde, mas que conseguiu com seus esforços, desde pequeno, trabalhando diuturnamente, conseguiu chegar aonde chegou: ser um empresário respeitado.

Raimundo Juliano no longo de sua vida chegou aos 80 anos de atividade comercial. Um homem querido e respeitado por todos.

Ele nos deixou ano passado, e se vivo estivesse, já estaria com 89 anos de nascimento.

Raimundo Juliano e a família

O site Tribuna Cultural, presta esta homenagem ao filho de Estância, Raimundo Juliano. Acompanhe a baixo a sua história de vida:

No dia 08 de Julho de 1932, na cidade de Estância, a 68km da capital, nasce um homem trabalhador, honesto e determinado, predestinado a encarar desafios e realizar grandes conquistas: Raimundo Juliano Souto Santos, filho de Agripino Roque Santos e Mariath Amado Souto Santos, herdando dos pais, o caráter e a inteligência que o tornaram um grande empresário de Sergipe.

Com apenas oito anos de idade, aquele menino, sempre comunicativo e sorridente, ou melhor, um “Manteiga”, como era chamado pela família, já mostrava uma forma singular de encarar a vida. Apesar da pouca idade, começou a sentir necessidade de ter certa independência financeira embora a família tivesse condições para bancá-lo. E foi a mera vontade de ir ao cinema sem precisar pedir dinheiro aos pais que o levou a engraxar sapatos.

Aos dez anos de idade, esse menino, passou a vender jornais e revistas na cidade e nos povoados circunvizinhos, e aos poucos sua fama de trabalhador foi se concretizando com humildade e muito suor.

Um ano se passou, e ele foi convidado para atuar como balconista na Loja Esperança, que comercializava tecidos em Estância. Aos treze anos, além cumprir seus afazeres em casa, fortaleceu ainda mais sua independência financeira ao se tornar pracista da empresa atacadista “José Pinheiro Alvelos” passando a assumir dois empregos e demonstrando ter a maturidade de um adulto.

Raimundo Juliano sendo homenageado

Aos quinze anos, Raimundo Juliano foi promovido para o cargo de caixeiro viajante ainda na mesma empresa, onde permaneceu até os vinte e quatro anos, trabalhando montado em cima de um burro, visitando cidades do sul sergipano e parte do sertão da Bahia, promovendo vendas, recebendo e transportando dinheiro, visto que naquela época, as agências bancárias eram escassas. Tudo era feito com honestidade e muito esforço, chegando a percorrer 100km em 20 dias consecutivos.

Será que aquele jovem, ainda no lombo do burro, algum dia sonhou que tamanha perseverança e determinação, o tornaria um grande empresário, reconhecido em âmbito nacional?

Surge o empresário Raimundo Juliano

Em 1957, época de expansão de Estância Jardim Sergipe Del Rey e do surgimento da BR101, Raimundo Juliano conseguiu juntar todas as suas economias, e por ser precavido no início, as trazia sempre consigo na cueca, e deu entrada no seu primeiro próprio negócio: o famoso Bar Central, situado na Rua Capitão Salomão, ponto de parada em Estância dos ônibus que iam para Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo, além de linhas para Indiaroba via Santa Luzia, Aracaju via Sapé, Salgado e outras. Lá ficou conhecido como “Buck Jones”, pois assim que saia uma briga no estabelecimento ele era sempre o primeiro a dar um soco. O ponto comercial atraía viajantes que consumiam bebidas e café, fornecidos pela Torrefação Souto que tinha sido instalada em Itabaianinha pelo mesmo.

Sete anos depois, Raimundo Juliano deu início ao marco da sua preciosa carreira empresarial, ao criar a Distribuidora Antárctica Zona Sul, tornando-se atacadista em cervejas e refrigerantes e idealizador de festivais de cerveja em Estância, em um dos quais conseguiu angariar fundos para que o Lions Clube construísse uma lavanderia para as conhecidas lavanderias do rio Piauitinga.

E assim, foi nascendo aos poucos a Distribuidora de bebidas DISBERJ, que em 1970, foi fundada por Raimundo Juliano na capital sergipana. Numa época que a Antarctica tinha pouca aceitação em Sergipe, esse homem conseguiu atingir ótima posição no mercado sergipano, criando uma estrutura que garantiu, nos anos 80, cinquenta por cento do mercado de cervejas e vinte por cento do mercado de refrigerantes. Aos poucos, foram surgindo outras grandes empresas, como a DISCAR-Distribuidora de Carros, Fasouto-Faria Souto Comercio Ltda, Posto de Gasolina Riomar, Souto Teles Construção, Souto Teles Iluminação, Grande Hotel, aquisição do Dantas Campos & Cia, que mais tarde se chamaria “A Elétrica Souto Teles & Cia” e ainda, atividades pecuaristas, por meio das fazendas Itaperoá e Castelo, que contribuem para geração de renda e colaboram para a geração de renda e colaboram para a preservação e sustentabilidade do meio ambiente e social de Sergipe

Pai de família exemplar, Raimundo Juliano não se destaca apenas em suas atividades comerciais. Na área social, ele alcançou importantes conquistas como a fundação da Loja Maçônica Piauitinga, do Clube de Diretores Lojistas e do Serviço de Proteção ao Crédito em Estância, tendo ainda exercido a função de Presidente do Rotary Club Aracaju-Norte.

A carreira empresarial de Raimundo Juliano não terminal por aí, afinal, são cinquenta anos de atividade comercial desse homem que mostrou que “ser ou não ser não é a questão. Na verdade, ser não é absolutamente nada. Tornar-se, sim, é que é tudo. Fernando Pessoa.

Falecimento

Raimundo Juliano faleceu numa madrugada de sexta-feira (21), de 2020, em São Paulo, aos 88 anos.



Com informação do site da Fasouto



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (79) 9.8156-8504

Visitas: 2149399
Usuários Online: 93
Copyright (c) 2022 - Atribuna Cultural - Fundado em 30/03/2001