Esporte

MARCÃO, DO SERGIPE, LAMENTA MORTES, DIZ SER CONTRA PARADA DO FUTEBOL E DESABAFA:"JOGADORES PASSARAM FOME"

Goleiro da equipe sergipana deu forte declaração após o empate em 0 a 0 com o Cuiabá, pela Copa do Brasil, nesta terça-feira

Publicada em 17/03/21 às 09:32h - 171 visualizações

por Redação do ge — Aracaju


Compartilhe
Compartilhar a notícia MARCÃO, DO SERGIPE, LAMENTA MORTES, DIZ SER CONTRA PARADA DO FUTEBOL E DESABAFA:\  Compartilhar a notícia MARCÃO, DO SERGIPE, LAMENTA MORTES, DIZ SER CONTRA PARADA DO FUTEBOL E DESABAFA:\  Compartilhar a notícia MARCÃO, DO SERGIPE, LAMENTA MORTES, DIZ SER CONTRA PARADA DO FUTEBOL E DESABAFA:\

Link da Notícia:

MARCÃO, DO SERGIPE, LAMENTA MORTES, DIZ SER CONTRA PARADA DO FUTEBOL E DESABAFA:
 (Foto: Divulgação/CSS)
O Sergipe empatou em 0 a 0 com o Cuiabá, nesta terça-feira, pela Copa do Brasil, e acabou sendo eliminado da competição. O goleiro Marcão foi um dos personagens da partida dentro de campo e também após o apito final.

Na saída do gramado, o jogador fez um forte desabafo ao repórter Guilherme Fraga na transmissão do SporTV. Marcão lamentou as mortes em decorrência da Covid-19 no Brasil, mas foi enfático ao se posicionar contra a paralisação do futebol no país. Ele também comentou as declarações do técnico Lisca, do América-MG, que pediu recentemente a interrupção da Copa do Brasil.

É muito delicado falar isso. Quem tem um salário alto, está na primeira ou segunda divisão e recebe em dia é muito fácil falar para parar o campeonato. A gente que joga uma Série D, tiveram jogadores que no ano passado passaram fome, famílias que passaram fome, se não fosse a ajuda de outras pessoas. Eu sei que é uma situação delicada para o país, lamento pelas mortes que estão acontecendo. A gente torce para que a vacina chegue logo, que possa liberar o público no estádio, mas eu não concordo com a paralisação do campeonato em si.
O goleiro colorado ressaltou que além dos jogadores outros funcionários dos clubes passaram por necessidades e problemas financeiros.

- Tem muito jogador de time pequeno que precisa muito disso aqui. E não só jogador não, tem muita gente envolvida no futebol, que são os funcionários do clube, roupeiros, massagistas, que ganham pouco e precisam disso. Ano passado a gente passou por uma situação de quatro meses sem receber salário. Quem está em time grande ganha R$ 100, R$ 150 mil e consegue manter isso tranquilo, mas e nós? Nós que ganhamos aqui pouco mais que um salário mínimo sofremos muito mesmo - refletiu.

- É uma situação delicada no país, e a gente só torce e ora para que isso acabe logo. Uns vão defender, outros não vão, mas só quem está vivendo a situação em si sabe a situação que a gente passa – comentou.

O Brasil registrou novo recorde com 2.798 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas e totalizou nesta terça-feira 282.400 óbitos. Com isso, a média móvel de mortes no país nos últimos 7 dias chegou a 1.976, também um novo recorde.

Sobre o resultado
Em segundo plano, o goleiro comentou sobre o jogo. Ele destacou a sua atuação no empate e valorizou a entrega dos jogadores. Com a eliminação na primeira fase da Copa do Brasil, o Sergipe deixou de receber a premiação de R$ 675 mil prevista pela CBF, caso avançasse.

- Eu trocaria minhas duas defesas pelo 1 a 0. Não é fácil jogar o futebol sergipano, a gente mata um leão por dia. Estou muito triste porque esse dinheiro cairia muito bem para nós. Peço desculpa ao torcedor pela não classificação, mas temos muito a dar durante o ano – finalizou.

O Sergipe foi para a partida apenas com seis jogadores no banco de reservas, sendo três deles goleiros. Nove atletas e o técnico Paulo Foiani testaram positivo para Covid-19 em exames realizados na última sexta-feira.



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (79) 9.8156-8504

Visitas: 2160163
Usuários Online: 85
Copyright (c) 2022 - Atribuna Cultural - Fundado em 30/03/2001