Atribuna Cultural
Mundo

MOTIM EM PRISÃO NO EQUADOR DEIXA AO MENOS 43 MORTOS

Foram recapturados 112 prisioneiros e 108 estão foragidos

Publicada em 10/05/22 às 08:34h - 19 visualizações

por Alexandra Valencia - Repórter da Reuters* - Quito


Compartilhe
Compartilhar a notícia MOTIM EM PRISÃO NO EQUADOR DEIXA AO MENOS 43 MORTOS  Compartilhar a notícia MOTIM EM PRISÃO NO EQUADOR DEIXA AO MENOS 43 MORTOS  Compartilhar a notícia MOTIM EM PRISÃO NO EQUADOR DEIXA AO MENOS 43 MORTOS

Link da Notícia:

MOTIM EM PRISÃO NO EQUADOR DEIXA AO MENOS 43 MORTOS
 (Foto: Reuters)

Dezenas de detentos foram mortos durante tumulto na manhã desta segunda-feira (9), quando gangues rivais entraram em confronto em uma prisão na cidade equatoriana de Santo Domingo, informou o governo.

Estão foragidos 108 presos e 112 foram recapturados, informou o ministro do Interior, Patricio Carrillo. Autoridades disseram que o tumulto começou depois que um líder de gangue foi transferido para a prisão de Bellavista, em Santo Domingo, após uma ordem judicial, o que pode ter causado agitação entre os prisioneiros.

O Ministério do Interior e o gabinete da Procuradoria-Geral informaram que 43 prisioneiros morreram. De acordo com Carrillo, a maioria foi esfaqueada até a morte.

O motim foi o mais recente incidente de violência em prisões equatorianas. O governo atribui o fato a brigas entre gangues pelo controle do território e rotas do narcotráfico.

No ano passado, 316 prisioneiros morreram durante distúrbios em várias prisões do Equador.

A prisão de Bellavista está agora sob controle, disse o comandante da polícia, Fausto Salinas. Segundo Salinas, uma cerca de segurança foi construída ao redor do perímetro da unidade depois que os prisioneiros escaparam.

Para a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, o sistema é prejudicado pelo abandono do Estado e pela ausência de uma política abrangente, bem como pelas condições precárias para os presos.

As prisões do país abrigam 35 mil pessoas e estão superlotadas, com cerca de 15% de prisioneiros além da capacidade máxima.

O presidente Guillermo Lasso prometeu reduzir a violência nas prisões por meio de um processo de pacificação de gangues, libertação antecipada de prisioneiros e reformas políticas e sociais.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (79) 9.8156-8504

Visitas: 2050880
Usuários Online: 20
Copyright (c) 2022 - Atribuna Cultural - Fundado em 30/03/2001